11 de mar de 2016

Empreiteira lesou 7.138 famílias para 'presentear' Lula

Em denúncia oferecida à Justiça, o Ministério Público de São Paulo acusa a Bancoop (cooperativa habitacional dos bancários) e a OAS de lesar 7.138 famílias que queriam adquirir um imóvel para, de outro lado, “presentear e paparicar” o ex-presidente Lula “com um tríplex na beira da praia, caracterizando autêntica lavagem de dinheiro”. Segundo a Promotoria, com a transferência ilegal dos empreendimentos da Bancoop para a OAS, em 2009, as fraudes envolveram 3.110 unidades em construções inacabadas e outras 3.182 em edificações concluídas, mas que foram submetidas a “inúmeros estelionatos”, seja pela Bancoop ou pela OAS. Houve ainda casos em 846 unidades em empreendimentos encerrados –”enfim, um total de 7.138 famílias desamparadas”, conclui a denúncia. “Levando-se em conta os empreendimentos que estão arrolados na investigação [cinco na capital e um em Guarujá], chegamos ao quantum de R$ 168 milhões em prejuízo médio para as vítimas, que deverão arcar com esses valores para que os edifícios prometidos sejam levantados”, afirma a denúncia, assinada pelos promotores Cassio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique Araújo. Conforme o Ministério Público, os estelionatos ocorreram de várias formas e constituíram os crimes que antecederam a lavagem de dinheiro praticada por Lula –expressa na suposta ocultação do tríplex no edifício Solaris, em Guarujá (litoral paulista). A denúncia detalha os casos de oito vítimas do suposto esquema. Uma delas, por exemplo, uma professora de 52 anos, comprou uma unidade na capital paulista por R$ 58.614, em 2001, e contou ao Ministério Público que precisou pagar à Bancoop, se quisesse levar adiante o negócio, um “aporte” extra de R$ 20 mil, entre 2007 e 2009 –época da transferência do empreendimento para a OAS. (Veja)
Postagem Anterior
Próxima Postagem

0 comentários :