13 de nov de 2016

Detento desembolsa R$ 200 mil e constrói motel dentro de presídio

aajg3m4
Que o sistema carcerário brasileiro além de deficitário é corrupto todo mundo sabe. Mas a história a seguir mostra um verdadeiro deboche da sociedade envolvendo um traficante preso e agente prisionais em Goiás.O traficante gastou cerca de R$ 200 mil para construir um motel com 112 quitinetes na Penitenciária Odenir Guimarães (POG), no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital do estado. Segundo reportagem do jornal local O Popular, as unidades foram construídas no tempo relâmpago de menos de 20 dias, mais rápido do que muitas obras públicas em nosso país. As unidades foram descobertas no final do ano passado e as obras estavam em fase final de acabamento. O presidiário Thiago César de Souza — conhecido como Thiago Topete, de 32 anos, construía as quitinetes para que elas fossem usadas para visitas íntimas de presos. E mais: ele esperava faturar cerca de R$ 120 mil por mês com o “aluguel” dos imóveis. De acordo com a reportagem, os investigadores descobriram que Thiago desembolsou R$ 120 mil para a compra de material de construção e outros R$ 70 mil para o pagamento de propina ao então diretor da unidade, Marcos Vinícius Alves, afastado do cargo desde o final de 2015.A existência da construção ilegal no interior do presídio foi descoberta por equipes do serviço de inteligência da Superintendência de Administração Penitenciária (Seap).O caso só veio à tona quase um ano depois do ocorrido. Trechos de uma investigação que resultou na Operação Livramento, da Polícia Civil de Goiás, foram divulgados. A operação, deflagrada em 19 de outubro, investigam a existência de uma organização criminosa formada por servidores públicos, advogados e detentos. Eles são acusados de operar um esquema fraudulento de saída de presos, com corrupção e falsificação de documentos, além de facilitar a ação do tráfico de drogas.
Postagem Anterior
Próxima Postagem

0 comentários :