15 de jun de 2016

Índio é morto e cinco ficam feridos em confronto no MS

O agente de saúde indígena Claudione Rodrigues Souza, de 26 anos, morreu e outros seis índios ficaram feridos, entre eles uma criança, durante confronto com produtores rurais nesta terça-feira (14), em uma fazenda de Caarapó, região sul de Mato Grosso do Sul. A Fundação Nacional do Índio (Funai) informou que a área está na Terra Indígena Dourados-Amambaipeguá. Conforme o órgão, ela é tradicionalmente ocupada e está em estudo para regularização fundiária. Em nota publicada no Facebook, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) afirmou que homens armados chegaram em 60 camionetes e atiraram em cerca de mil indígenas, incluindo quatro agentes de saúde indígena, que estavam reunidos no território perto da aldeia Te' Ýikuê. A Funai também afirma que os índios foram atacados. O comandante da Polícia Militar (PM) do município, tenente-coronel Carlos Silva, informou que a fazenda foi ocupada por indígenas na segunda-feira (13) e que houve confronto entre o grupo e produtores rurais. Os bombeiros foram chamados e pediram apoio da PM para ir até o local, mas os militares acabaram rendidos pelos indígenas por duas horas após o pneu da viatura furar. Eles tiveram as armas de fogo e coletes tomados, a viatura queimada e três sofreram ferimentos leves. A PM e a Polícia Federal negociaram durante toda a tarde para a devolução de três armas que estavam com os policiais quando foram feitos reféns. Mas a negociação não avançou e a PF encerrou as tratativas por questão de segurança. Ainda segundo o tenente-coronel, a equipe foi recebida a tiros e há suspeita de que índios paraguaios estejam entre os indígenas brasileiros. Até o momento, não há informações sobre as circunstâncias da morte do indígena, que atuava como agente de saúde na aldeia. Em nota, a Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul (ABSSMS), seccional Dourados, repudiou "as ações de extrema violência contra a integridade física de policiais militares". (G1)
Postagem Anterior
Próxima Postagem

0 comentários :