9 de ago de 2019

'O PT TINHA DIÁLOGO COM NÓIS CABULOSO', DIZ LÍDER DO PCC GRAMPEADO EM ATAQUES A MORO

'O PT tinha diálogo com nóis cabuloso', diz líder do PCC grampeado em ataques a Moro
Em um diálogo interceptado pela Polícia Federal, uma liderança do Primeiro Comando da Capital (PCC) teria afirmado que a facção tinha um “diálogo cabuloso” com o Partido dos Trabalhadores (PT) ao criticar o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. A conversa foi captada em telefonemas de abril deste ano, obtidos pelo jornal Estado de S.Paulo e gravadas pela Operação Cravada, que mirou e prendeu participantes do núcleo financeiro da organização.Em uma das ligações, Alexsandro Roberto Pereira, conhecido como “Elias” ou “Veio”, xinga Sergio Moro e reclama da falta de diálogo com o atual governo com Willians Marcondes Ferraz, o “Rolex”. Outro interceptado é André Luiz de Oliveira, o “Salim”. “A gente sabe que esse governo que veio irmão, esse governo aí ô, os cara começou o mandato agora, irmão, agora que eles começaram o mandato, os caras têm quatro ano aí pela frente, irmão”, diz a ligação. O traficante passa então a criticar o ministro Sérgio Moro: “Com nois já não tem diálogo, não, mano. Se vocês estava tendo diálogo com outros, que tava na frente, com nois já não vai ter diálogo, não. Esse Moro aí, esse cara é um filha da puta, mano. Esse cara aí é um filha da puta mesmo, mano. Ele veio pra atrasar”.No relatório de interceptações telefônicas, a PF diz: “Também foram encontrados indicativos de vínculos da ORCRIM PCC com partidos políticos, o que neste momento não está dentro dos objetivos da investigação e, semelhante a questão de corrupção de agentes públicos, temos a necessidade de encerrar a chamada fase sigilosa da investigação”.A assessoria do PT respondeu à reportagem do Estadão e disse, mais uma vez, se tratar de uma “armação” contra o partido: “Esta é mais uma armação como tantas outras forjadas contra o PT, e vem no momento em que a Polícia Federal está subordinada a um ministro acuado pela revelação de suas condutas criminosas. Quem dialogou e fez transações milionárias com criminosos confessos não foi o PT, foi o ex-juiz Sergio Moro, para montar uma farsa judicial contra o ex-presidente Lula com delações mentirosas e sem provas. É Moro que deve se explicar à Justiça e ao país pelas graves acusações que pesam contra ele.”
Postagem Anterior
Próxima Postagem

0 comentários :